100azimutes


ÁFRICA DO SUL – SUAZILÂNDIA – MOÇAMBIQUE (8/12)

img_2045

A Suazilândia é um pequeno reino poligâmico, com cerca de 17.000 Km2 e pouco mais de um milhão de habitantes, que ainda vivem num sistema de agricultura de subsistência (com uma terrível percentagem de infetados com HIV), encaixado entre Moçambique, a leste, e a África do Sul em todos os demais quadrantes. Chegámos num dia e partimos no seguinte, pouco tendo visto, pois havia muito nevoeiro e choveu sempre, com alguma intensidade. Antiga colónia britânica, obteve a independência em 1968, tendo como modelo atual de governo uma monarquia absoluta. Daí que, tudo ou quase tudo, desde as terras aos animais, pertence ao rei – e toda e qualquer ofensa é tida como ofensa ao rei. Diz-se que as paisagens da savana e montanha são convidativas e os safaris constituem um dos principais motivos de atração turística. Pela nossa parte, queríamos visitar e pernoitar no Hlane Royal National Park (uma antiga coutada real de caça, com cerca de 30.000 hectares) e fazer um safari matinal em busca dos descendentes dos leões do Transvaal – de caminho para Moçambique.  À entrada do Parque existe um muro com centenas de armadilhas de arame farpado apreendidas a caçadores furtivos, chamando a atenção para um tema muitas vezes deliberadamente esquecido: a caça furtiva com fins económicos. As instalações são rústicas e algo rudimentares mas asseadas, a oferta gastronómica é limitada e o ritmo “das coisas” chega a ser desesperantemente lento. Todavia, se esquecermos a nossa habitual pressa e conseguirmos adaptar-nos, pode tornar-se uma experiência inesquecível. Depois de jantarmos no restaurante do Parque, pernoitámos em três rondavels, dormindo entre os fortíssimos rugidos dos leões e o suave barulho da chuva que caiu toda a noite. Acordámos às 04H30 para fazer um safari com início às 05H00, de modo a apreciarmos o fantástico nascer-do-sol africano – infelizmente, continuava a chover e persistia algum nevoeiro, nada que nos fizesse desistir do nosso propósito, que fica ilustrado nas fotos e filme que seguem.

FILME AQUI

 

boas-festas

 

 



ÁFRICA DO SUL – SUAZILÂNDIA – MOÇAMBIQUE (1/12)

img_1975

Desde o início de 2015, comecei a avaliar a hipótese de fazer uma expedição à África do Sul, se possível, com passagem por Moçambique. A distância aos dois países, a sua grandiosidade (a África do Sul tem duas vezes a área da Península Ibérica; Moçambique tem cerca de 1,4 vezes a mesma área) e a contraditória informação disponível, fizeram-me hesitar. Todavia, em Maio deste ano, tive necessidade de me deslocar a Joanesburgo – tendo dissipado quase todas as minhas dúvidas.

No regresso, iniciei os contactos com vista ao aluguer de um 4×4 robusto e fiável e reservei atempadamente voos na Air France. A mês e meio da partida, já com tudo programado, reservas feitas e sinais pagos, o destino pregou-nos uma partida (um acidente na família, com 7 semanas de imobilização e fisioterapia diária, incluindo fins-de-semana) obrigou a refazer a programação e o modelo da viagem: era manifestamente impossível viajar e pernoitar em autonomia. Para não perder o investimento já feito, houve que adaptar os trajectos e toda a viagem.

Partimos a 16 de Setembro e regressámos esta semana, tendo viajado tranquilamente pela RSA, Suazilândia e Moçambique.

Durante os próximos tempos, tenciono publicar semanalmente um artigo e alguns vídeos, assim consiga disponibilidade para escolher o que publicar nos cerca de 100 Gb de vídeos e fotos realizados. Neste artigo meramente introdutório, deixo-vos com algumas fotografias, em jeito de “aperitivo”.