100azimutes


TRANSMONTANA

IMG_3555

Os tons outonais fascinam-me. Nas semanas de finais de outono, início de inverno, o cair da folha transforma radicalmente a paisagem, proporcionando uma paleta de cores que só os verdadeiros artistas conseguem reproduzir. Como não tenho grande jeito para o desenho e pintura, tento, sempre com menos tempo do que desejaria, fazer uns bonecos fotográficos que imitem ligeiramente aquilo que observo. As imagens que seguem, obtidas entre Foz Côa, Torre de Moncorvo, Bragança, Montesinho e Pitões das Júnias, procuram ilustrar o que referi, num fim-de-semana de 3 dias, em dezembro último.

 

 

 



ESCAPADELA À SERRA DA ESTRELA

 

img_3767

A Serra da Estrela exerce em mim uma atracção muito especial, “funcionando” frequentemente como “catarse” para as mais variadas adversidades. Se não atinge a “purificação filosófica” que lhe era atribuída pelo velhinho Aristóteles, costuma ter o “dom” de possibilitar uma libertação emocional que rejuvenesce o espírito e dá alento ao físico. “Filosofias baratas” aparte, gosto de voltar à Serra, seja no Inverno ou em qualquer outra estação do ano. Em Fevereiro, antes do Carnaval e das costumeiras enchentes de visitantes, a meteorologia anunciou um fim-de-semana de sol, com frio à noite, bem como a possibilidade de cair alguma neve… como se depreende, bazámos em direcção ao Maciço Central… As fotos e o filme que seguem, procuram ilustrar um pouco do muito que vimos e que, para não variar, nos fizeram dar por bem empregue a viagem. 

FILME AQUI

 



BIVOUAC NA OITAVA

Mais um fim-de-semana de Julho, mais um convite para uma curta passeata 4×4 com o objectivo de fazer um bivouac na companhia dos amigos da Land Lousã. Como habitualmente, foram obtidas as autorizações e ultrapassadas as burocracias para que, apesar de estarmos na fase Charlie, pudéssemos usufruir em segurança de todas as potencialidades de um animado convívio no parque de merendas da Oitava. Ao intenso calor durante o dia, sobreveio um ameno pôr-do-sol, enriquecido com um fantástico rancho na trempe feito pelo Parola (Leonel e Viriato, estava tão bom como o do Djebel Siroua) e uma panóplia de iguarias e bebidas que tornaram ainda mais animado o convívio até por volta das 0200 de domingo. Por volta das 0630 os veados rondaram o acampamento mas não se deixaram fotografar – mal abri a porta da Hilux para ir buscar a Canon… eclipsaram-se. Após o pequeno-almoço despedi-me dos demais participantes, pois que outro “chamamento” se sobrepôs.

Podem ver o filme AQUI  e algumas fotos abaixo.

IMG_0556 (Cópia)IMG_0558 (Cópia)IMG_0559 (Cópia)IMG_0562 (Cópia)IMG_0575 (Cópia)IMG_0590 (Cópia)IMG_0593 (Cópia)IMG_0595 (Cópia)IMG_0598 (Cópia)



BOUCLE DE DORNES 4X4

De acordo com o Vortex Magazine, Dornes, terra muito antiga, que será mesmo anterior à fundação da nacionalidade, é uma das cinco mais belas vilas de Portugal. Como gostos não se discutem, não vale a pena argumentar contra ou a favor. O que posso dizer é que conheci Dornes no início da década de 80, quando me refugiei alguns fins-de-semana no Lago Azul para escapar ao bulício de Lisboa e respirar a tranquilidade do rio Zêzere. A convite dos amigos do Pula Valas, participei naquilo a que chamei de Boucle de Dornes 4×4, i.e., uma passeata “fora de estrada” em torno da vila, durante o primeiro fim-de-semana de Julho. Claro que o passeio 4×4 foi apenas pretexto para animado convívio que teve início com a concentração dos participantes em Coruche, e o início das hostilidades gastronómicas na Sopa da Pedra, em Almeirim. Com a excelente “desorganização organizada” do Pedro Santos, foram dois dias de animada diversão. Como só pude aceitar o convite “em cima da hora” acabámos por pernoitar na Vila dos Castanheiros, local onde hei-de voltar com mais tempo.

Deixo-vos com alguns bonecos e um filme que podem ver no YouTube clicando AQUI.

 

Este slideshow necessita de JavaScript.

 

 

 



MARVÃO

IMG_7124_Small

Marvão é um daqueles locais mágicos do nosso imaginário… tornado realidade. A sua localização privilegiava a defesa de qualquer hipotético invasor, havendo, registos históricos da sua existência, pelo menos, desde o período romano. As origens e vicissitudes de Marvão podem ser consultadas AQUI

Por diversas razões, há muitos anos que não voltava a Marvão. Neste regresso e durante o fim-de-semana ali passado, notei algumas diferenças: por um lado, o incremento da oferta turística; por outro, a crescente descaracterização da genuinidade e consequente perda de magia.

Deixo-vos com algumas fotos e o desafio para (re)descobrirem Marvão, calcorreando pausadamente as ruas, ruelas e muralhas de onde se usufrui um enquadramento paisagístico digno de contos de fadas. Aproveitem para descansar e/ou “beber um copo” apreciando o nascer ou pôr-do-sol num dos vários terraços e esplanadas, e passem um óptimo fim-de-semana num dos muitos alojamentos disponíveis.

Clique numa das fotos e siga o slideshow.

 

 

 



SERRAS DA ESTRELA E SÃO MACÁRIO
IMG_0007_Small

S. Estrela – Sabugueiro

Portugal é um país espectacular. Podemos ir de um extremo a outro no mesmo dia; usufruir do sol à beira-mar e da neve na montanha, em poucas horas; revisitar centenas de anos de história ou deliciarmo-nos com o último grito da moda. Há quem diga que não devemos regressar onde já fomos felizes. Pela minha parte, gosto de voltar onde me sinto bem. Assim, deixo-vos com mais umas quantas fotos e filmes das Serras da Estrela e de São Macário, de caminho para Arouca.

 

 FILME 1

FILME 2

FILME 3

FILME 4

 

 



ROTA DA LOUSÃ AO POÇO

IMG_0009_SmallO passeio 4×4 (com alguma dificuldade e perigo de deslizamento da viatura, caso haja lama na zona a jusante do parque de merendas das Mestrinhas), passa pelas abandonadas aldeias do Esquio e do Pessegueiro, segue pela Silveirinha e castelo do Germanelo (mandado edificar por D. Afonso Henriques) em direção à serra de Janeanes, onde, entre outros motivos de grande interesse paisagístico e geológico, podemos encontrar e explorar as Buracas do Casmilo, magníficas concavidades semelhantes a entradas de grutas situadas nas duas vertentes do Vale com o mesmo nome.

Daí, segue para o alto da Senhora do Círculo e para o Furadouro por um trilho estreito onde, inevitavelmente, ficam riscadas as viaturas de maior porte.

Sugiro que, quem não queira danificar a pintura, termine aí o passeio pois tem saída alcatroada.

Quem seguir em frente, passará pelo degradado moinho do Outeiro, onde beneficiará de uma fantástica paisagem em 360º, após o que descerá para a aldeia do Poço, próximo de Condeixa-a-Nova.

Foi mais um dia bem passado, em contato com a natureza e em boa companhia.

O trajeto será disponibilizado a quem o solicitar; sugiro a consulta dos links infra.

VÍDEO: https://www.youtube.com/watch?v=qus4bt8LRDs

https://pt.wikipedia.org/wiki/Castelo_de_Germanelo

https://pt.wikipedia.org/wiki/Buracas_do_Casmilo

http://www.cm-condeixa.pt/menu/turismo/romarias.html