100azimutes


ÁFRICA DO SUL – SUAZILÂNDIA – MOÇAMBIQUE (7/12)

OLYMPUS DIGITAL CAMERA

Este artigo pretende resumir a última etapa no Kruger National Park – no dia seguinte rumámos à Suazilândia. Não sei bem por onde começar. Para os críticos, o KNP é pouco “autêntico”, uma máquina de “fazer dinheiro” muito bem oleada e sincronizada. Acredito que, para o turista sem autonomia e com pressa de ver o máximo no mínimo espaço de tempo, assim seja. No nosso caso, graças às sugestões do João (visitante assíduo), só por uma vez tivemos essa sensação, precisamente quando, nesta etapa, chegámos a Skukuza e nos deparámos com centenas de turistas prestes a entrar em dezenas de Land Cruisers do KNP, para a visita guiada da tarde. Esse episódio aparte, circulámos quase sempre sozinhos, cruzando-nos ocasionalmente com outros visitantes. Creio que a melhor sugestão é ficar dois ou três dias, preferencialmente, com uma viatura alugada. Acampámos uma noite em Skukuza e ficámos duas no Pestana Kruger, em Malelane. Para quem vai pela primeira vez, talvez seja a melhor opção (o Skukuza Lodge & Rest Camp tem várias opções para pernoitar) e o Pestana correspondeu às expectativas. Numa eventual próxima visita, procurarei outro Rest Camp, mais pequeno, menos “civilizado” e menos “sobrelotado”. Em qualquer caso, vimos uma ínfima parte do parque mas as sensações e memórias vivenciadas são indescritíveis e inolvidáveis.

Daí que as expectativas para o rústico Hlane Royal National Park, na Suazilândia, tenham aumentado…

Esta última etapa no KNP, partiu de Malelane, passou por Ber En Dale, Skukuza e terminou no Pestana Kruger, em Malelane.

Seguem algumas imagens e o link para um vídeo no YouTube.

Fiquem bem.

VÍDEO NO YOUTUBE

 

 

 

 



ÁFRICA DO SUL – SUAZILÂNDIA – MOÇAMBIQUE (6/12)

img_1339

SKUKUZA – LOWER SABIE – MALELANE (PESTANA KRUGER LODGE)

Depois de uma noite bem passada na zona de acampamento de Skukuza, preparámo-nos para a primeira grande etapa de exploração do Kruger Park. O objectivo era rolar calmamente pelo Lower Sabie, até Malelane. Pela “amostra” da tarde anterior e toda a envolvência inerente a uma “primeira noite africana” a expectativa era mais que muita. Desde o deslumbrante céu e pôr-do-sol, aos odores e ruídos, tudo era novo e de tudo gostávamos, quais crianças embevecidas com um apetecido brinquedo novo. A realidade desta espectacular etapa de aproximadamente 140 kms em nada defraudou as expectativas. Pelo contrário, tivemos a oportunidade de, bem perto ou mais ao longe, ver, filmar e fotografar leões, elefantes, rinocerontes, hipopótamos, chitas, etc., etc, numa enorme variedade e quantidade que o João dizia corresponder a sorte de principiantes. Já ao final do dia e enquanto filmávamos umas girafas, um elefante curioso ou chateado com a vidinha, decidiu correr para nós e nós decidimos que era tempo de “carregar com o pé na tábua” e meter distância. Chegámos tranquilamente ao Pestana Kruger Lodge, a tempo de saborear um esplêndido pôr-do-sol, mero aperitivo para um não menos espectacular jantar na esplanada sobre o Crocodile River. Acaso ou não, convido-vos a verem algumas das fotos que escolhi e o filme cujo link para o YouTube segue abaixo.

LINK PARA O YOUTUBE