100azimutes


JAMES BAROUD & TENTBOX

Em janeiro de 2010 comprei diretamente na fábrica a minha primeira tenda de tejadilho, uma James Baroud Discovery que equipou durante 3 anos o Mitsubishi Pajero GLS. Só guardo boas memórias de ambos.

Quando vendi o Mitusbishi para comprar a Toyota, o amigo Acácio perguntou se a Hilux era da mesma cor do Pajero e, quando lhe respondi que não, “obrigou-me” a vender-lhe também a James Baroud Discovery.

Portanto, não será de estranhar que mal chegaram os documentos para a Hilux poder circular, recebesse logo em maio de 2013 uma nova tenda da James Baroud, a Explorer, o que sucedeu voltando à fábrica em Pedorido e acrescentando a compra do toldo de 2 metros, com os respectivos painéis laterais e, uns meses mais tarde, o toldo mais pequeno (1,40 m) para a traseira.

A Explorer era e é uma tenda mais evoluída, com o inteligente sistema de ventilação alimentado por um pequeno painel solar, que não deu chatices, e sem um único problema ou reparo, salvo a sua espessura quando fechada (30 cm) que não permitia passar na garagem sem baixar a pressão dos 4 pneus a uns míseros 8 psi e gastar umas duas horas a aparafusar/desaparafusar sempre que a queria usar – o que, não sendo nada prático, fazia com que em muitas saídas não programadas optasse por levar uma mais tradicional tenda de chão. Cheguei a pedir um orçamento para alterar o portão da garagem, mas uma viga mestra impediu qualquer solução. Como estou sempre atento ao que surge no mercado apercebi-me do aparecimento nos EUA das Falcon e no Reino Unido das TentBox primas quase gémeas com cerca de metade da espessura das James Baroud. Contactados ambas as empresas, dos States só chegou uma resposta automática; mas, do Reino Unido, chegou uma resposta bem estruturada e, rapidamente, formalizei a compra de uma tenda bem construída e que corresponde ao caderno de encargos previamente elaborado, permitindo a entrada e saída na garagem sem necessidade de qualquer stress, pois que, fechada, tem pouco mais que metade da altura da Explorer.

Deixo algumas fotos e espero que venha a proporcionar tantas ou mais alegrias que as antecessoras.

Fiquem bem e cuidem-se porque “o vírus anda à solta”.



EXPEDIÇÃO ARGÉLIA 2019

Optimized-IMG_2490

Ainda durante a fabulosa Expedição à Argélia em 2018, alguns de nós começámos a fazer planos para regressar, tão breve quanto possível. No meu caso, pela pesquisa inicialmente feita, pelo muito que li e alguns filmes que visionei, sabia perfeitamente que o epicentro da nossa fantástica viagem de 2018 não mostrou mais do que algumas gotas num oceano com uma enorme diversidade de realidades, desde algumas características superficiais das cidades mais cosmopolitas, junto ao mediterrâneo, até às mais enigmáticas, quiçá, alegadamente perigosas, do imenso sul. Não obstante, apesar de todos os constrangimentos e das enormes distâncias a percorrer, as múltiplas sensações e experiências vivenciadas nessa viagem marcaram profundamente o desejo de conhecer mais, muito mais, em resumo, de voltar.

Optimized-IMG_2876 (2)

Foi assim que se foi tornando cada vez mais forte essa vontade de regressar. A Argélia é tão grande e tão diferente, mesmo considerando a sua quase omnipresente aridez, que o mais difícil era escolher para onde, quando e de que forma. Quando o Parola disse que contava comigo para regressarmos em 2019, reafirmei imediatamente aquela minha vontade e acompanhei tanto quanto possível as reuniões de planeamento. Aqui chegado não posso deixar de manifestar a tristeza pela circunstância do Cardoso, da Ana, da Tita e da Luísa, por motivos diferentes, não terem podido seguir connosco. A vida tem destas coisas, mas, como soe dizer-se, há mais marés que marinheiros e a Argélia vai continuar à vossa (e nossa) espera. Dito isto, para 2019, o grupo decidiu apontar azimute para a região do Grande Erg Ocidental, muito mais próximo do chão Pátrio que o imenso e distante Tassili.

Optimized-IMG_2295

Timimoun foi a escolha óbvia para “Centro de Operações”, mas, desde então, ficámos com mais dúvidas que certezas sobre o modelo que a Expedição teria a partir dali. Em 2018, a “base” foi em Djanet, de onde saímos à aventura e onde regressámos depois de percorrer muitas centenas de quilómetros em plena autonomia e vários dias de quase total isolamento pelo Tassili n’Ajjer. Embora, para este ano, também houvesse a expectativa de alguns dias de autonomia e de bons bivouacs, as pesquisas feitas sugeriam que todos os quase todos os dias teriam saída e chegada a Timimoun. Essa sensação tornou-se quase uma certeza quando, já próximo da partida, a agência que nos deu apoio confirmou que não seria necessário levar jerrycans de reserva na medida em que os depósitos das viaturas deveriam ser suficientes para as incursões/etapas a realizar.

IMG_Timimoun

Essa quase certeza acabou por ser totalmente confirmada quando chegámos a Timimoun e solicitámos ao guia local que, em vez de teorizar sobre os “inúmeros e maravilhosos pontos de interesse” que não conhecíamos, desenhasse numas folhas de papel o que estava programado nós fazermos.

20190320_182142

Feita esta ressalva, mais do que procurar explicar por palavras o que foi esta Expedição, deixo-vos com alguns vídeos que, apesar de não conseguirem transmitir as fantásticas sensações, os múltiplos sons, os inúmeros odores e o silêncio esmagador do isolamento no Grande Erg Ocidental, talvez consigam mostrar mais eloquentemente o que foi esta viagem, isto, do meu ponto de vista de expedicionário a solo.

Optimized-IMG_2553

Espero que gostem e vos dê vontade de partir, seja para a Argélia ou qualquer outro lugar. Recordem que, muitas vezes, a viagem é muito mais enriquecedora que o destino…

Por último, três breves notas: 1) A Gendarmerie Royale, mais uma vez,primou pela simpatia, eficiência e disponibilidade, mas, no outro lado da moeda, limitou-nos quase totalmente a liberdade de circulação e de mais contacto com a população; 2) A meteorologia, muito melhor em março/abril de 2019 do que em janeiro de 2018: dias mais longos e temperaturas amenas; 3) Os fantásticos companheiros de viagem que foram um exemplo de camaradagem, entusiasmo e entreajuda quando foi preciso.

BEM HAJAM E ATÉ À PRÓXIMA.



BONS TRILHOS, BONS VENTOS E BOM REGRESSO A CASA EM 2019
05/01/2019, 01:41
Filed under: Pessoal

2414

Olá. Antes de mais, desejo-vos um fantástico 2019, com tudo aquilo que mais desejarem.

Tenho hesitado em manter o blog e, concomitantemente, em escrever este artigo. Numa época em que nalgumas redes sociais se mede o “sucesso” pelo número de amigos virtuais, de likes e de uma deliberada exposição que permita parecer estar in, penso ter conseguido manter alguma coerência nos temas abordados, fugindo deliberadamente a uma exposição pessoal que possa ultrapassar os limites fixados desde o início – e já lá vão 8 anos.

Certamente por incapacidade minha (falta de regularidade, défice de atenção, quiçá desinteresse dos tópicos aqui abordados…), ultimamente, este espaço não me tem proporcionado motivação para continuar. A título de exemplo e à data de hoje, o blog tem pouco mais de 190.000 visualizações e o muito mais recente canal do YouTube já as ultrapassou; o blog tem menos de uma centena de subscritores (wordpress + e-mail) e o YouTube já passou os 700.

Só que há duas enormes e substanciais diferenças. Na primeira, os “menos de uma centena” de subscritores do blog, na sua esmagadora maioria, falam português – e é esta NOSSA língua que nos une e constitui um elo completamente distinto do quase total anonimato no YouTube. Na segunda, tão ou mais importante, conheço pessoalmente grande parte destes amigos e companheiros de aventuras.  Como não me guio pelo número de subscritores ou seguidores (adjetivos de que não gosto) decidi, por agora, continuar.

Dito isto e sem prejuízo de outras aventuras menos “radicais”, espero conseguir voltar à Argélia no primeiro semestre deste ano – a fantástica expedição de 2018 vincou iniludivelmente essa vontade. A grandiosidade do Sahara argelino foi absolutamente esmagadora. A simpatia da população, da Gendarmerie e dos militares, foram estimulantes e reconfortantes. Os ensinamentos colhidos, assim espero, permitirão evitar alguns erros cometidos e melhorar substancialmente os objetivos da expedição. Dito isto, reitero os votos de um 2019 com muita saúde, bons trilhos, bons ventos e bom regresso a casa.

Fiquem bem e “metam-se ao caminho“…



ARGÉLIA 2018: DJANET – TAGHIN – ASSENDILEN (EP 9)
10/08/2018, 23:00
Filed under: ARGÉLIA # ARGELIE | Etiquetas: , , , , , , ,

IMG_4118.JPG

Durante o descanso, após a última etapa e devido a uma imprevista mas necessária alteração dos planos, foi necessário suprimir a ligação de Assendilen a Illizi pelos oásis.

Assim, após a saída do Hotel Ténéré a meio da manhã, fomos a Djanet abastecer as viaturas de gasóleo e, no souk, de algum artesanato local. Aqui cumpre referir que há pouquíssimo artesanato genuinamente argelino na cidade, proliferando os produtos do Níger e do Mali – nada que nos retirasse a vontade de adquirir alguns “recuerdos”.

Próximo das 1100, partimos em direção a Taghin e aos famosos arenitos de Assendilen, circulando através de um misto de dunas razoáveis, planaltos de areia dura e alguma pedra. Cerca de 1H depois estávamos a almoçar à sombra de um majestoso arenito, próximo de uma área preparada para treino de escalada, com sinais de estar algo abandonada.

Voltando ao percurso, na subida de uma duna com areia mais solta, os guias atascaram “à beira da praia” e, a partir daí, todos ou quase todos tiveram algum trabalho adicional a ganhar velocidade para superar o cume. O calor apertava bastante e houve um pequeno momento de preocupação quando um dos participantes, que retirava com as mãos areia para desatascar a sua viatura, foi inadvertidamente atingido na cabeça por uma porta que “alguém” abriu provocando-lhe um desmaio momentâneo.

Entre centenas de arenitos de todos os feitios e tamanhos, dunas, grutas, gravuras rupestres e dois arenitos em forma de elefante, entrámos ao final da tarde no Cite Touristique de Assendilen em direção ao Oued com o mesmo nome. Um pouco à frente encontrámos mais uma guarnição militar, quase totalmente oculta entre dunas e vegetação rasteira. Mandaram-nos mudar um pouco o azimute para o rumo pretendido e, chegados ao local do melhor acampamento e serão/convívio de toda a viagem, tivemos direito a um fabuloso “meshwe” cozinhado durante 2 horas na areia pelos nossos guias, com o carneiro envolto em folhas de papel de prata, totalmente cobertas de brasas espalhadas num buraco feito na areia.

Durante a noite, houve quem se “afadigasse” a preparar umas quantas “armadilhas” aos que recolheram mais cedo às tendas.

Por mim e por razões que nem vale a pena referir, prefiro dizer que a expedição acabou aqui. A viagem de regresso a Oran/Valência/Portugal teve uns quantos episódios absolutamente deploráveis a que prefiro não fazer referência. No próximo e derradeiro episódio procurarei ilustrar os momentos mais emblemáticos desta fantástica viagem.

LINK PARA O WIKILOC



ARGÉLIA # ALGÉRIE 2018: TADRART BIVOUAC 5 A DJANET (EP 8)
13/07/2018, 07:58
Filed under: ARGÉLIA # ARGELIE | Etiquetas: , , , , ,

2413

Como referido no artigo do dia 23 de janeiro,  chegados ao local de acampamento escolhido pelos guias, tratei de colocar a Hilux protegida dos caprichos de Éolo, de modo a podermos preparar o jantar abrigados e descansar. Na realidade, tudo indicava que íamos ter uma noite tumultuosa e assim sucedeu. Pela minha parte, dormi tranquilamente, mas houve quem não tivesse descansado e ficasse praticamente sem tenda durante as refregas. Iniciado matutinamente o percurso que nos havia de levar de volta a Djanet, pouco depois da partida percorremos alguns quilómetros numa estrada não referenciada e, logo de seguida, reentrámos no oceano de areia em direcção ao primeiro grande objectivo para esse dia: o fantástico Erg Admer a que se chega através de um enorme planalto de areia muito clara, com frequentes velocidades médias de 80 a 90 km/h em 4a ou 5a de caixa alta.  Quando parámos e contemplámos ao longe o Erg (4a à 6a foto infra), parecia que em poucos minutos lá chegaríamos – nada de mais errado, era um nunca mais acabar de areia, por vezes, misturada com areão, que crepitava e agredia a parte inferior das viaturas. Chegados à base das dunas onde, dizem, se ouve a canção do silêncio, julgo que todos ansiávamos iniciar a sua majestosa transposição. As sensações anteriormente vivenciadas e os ensinamentos recolhidos permitiriam (julgávamos nós) superar aquele fantástico obstáculo. Nada de mais errado, os sucessivos atascansos de algumas viaturas logo nas primeiras centenas de metros, indicava aos experientes guias que dificilmente conseguiríamos seguir tal rumo, pelo que se tornava necessário mudar de azimute e dar primazia à segurança. Assim, a travessia do Erg Admer acabou por ser realizada primordialmente pelos autênticos planaltos existentes no interior dos cordões dunares, com uma ou outra incursão pelas dunas mais acessíveis que, de quando em quando, obstaculizavam a progressão. Conforme nos fomos aproximando da saída do Admer, mais próximos ficávamos do outro ex-libris da jornada, a famosíssima gravura de La Vache qui Pleure, próxima paragem antes de metermos azimute à estrada que nos levaria de regresso ao Hotel Ténéré Village, em Djanet, e a um merecido descanso. O trajecto está no Wikiloc